Pela 2ª vez em abril, moradores de RO fecham rodovias e cobram transporte escolar

whatsapp-image-2019-04-29-at-08.29.49

Pela segunda vez em menos de um mês, moradores de Porto Velho interditaram vias durante protesto por transporte escolar rural. Durante parte da manhã desta segunda-feira (29), foi bloqueada a BR-319 com avenida Farquar.

No dia 9 de abril moradores dos distritos da Ponta do Abunã, também em Porto Velho, fecharam um trecho da BR-364 próximo a Extrema, no Km 1042.

O protesto cobrava o retorno do transporte escolar rural e a manutenção das estradas vicinais. O bloqueio foi feito com pedaços de madeira e pneus.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o congestionamento na BR-319 sentido Humaitá (AM) durou boa parte da manhã. O órgão calcula que cerca de 20 manifestantes estiveram no local. A Polícia Militar (PM) também foi acionada.

Após conversa com representantes da Prefeitura, os manifestantes desfizeram o bloqueio e não há mais congestionamento no local.

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) informou por meio de nota que a ausência de transporte escolar se deu por causa de problemas burocráticos com as empresas que prestam o serviço, mas que a empresa que assumiu o transporte escolar terrestre tem até a terça-feira (30) para dar início às atividades nos locais.

Confira a nota

O transporte foi paralisado no final do ano passado por duas das três empresas que prestavam o serviço. Elas alegavam que não estavam recebendo os devidos pagamentos, mas o problema era que as empresas não apresentavam as devidas documentações para tais recebimentos. Diante da situação de não poder mais licitar o serviço emergencialmente, pois o prazo do contrato já havia concluído e não poderia mais ser prorrogado, e já que a secretaria ainda não havia conseguido concluir o processo licitatório principal, pois o TCE suspendeu para que o município respondesse as impugnações apresentadas, a prefeitura entrou na justiça para ter a autorização para fazer um novo emergencial. Tendo a autorização, e concluído esse novo emergencial, a empresa Freitas, devido a desistência das outras duas empresas acabou assumindo os demais lotes. O prazo para que todos os lotes assumidos passem a ser atendidos encerra amanhã. Mas esse é apenas o serviço de transporte terrestre. Quem depende do transporte fluvial ainda aguarda a conclusão do processo licitatório. A empresa Performance do Estado do Ceará, apresentou a melhor proposta, mas ainda não teve o contrato assinado pois precisa antes apresentar as devidas embarcações. O prazo também encerra essa semana. O secretário da Semed, Márcio Félix, passou a manhã em reunião com equipe da PGM e SML e na sequência esteve com os manifestantes para esclarecer sobre o andamento de todo o processo.

Fonte: G1

Comente no Facebook